Esporte Escolar
O seu portal de notícias do Esporte Escolar

Filho de ex-jogador do Ceilândia ganha dois ouros em Paralimpíadas Escolares

24/11/2017
Filho de ex-jogador do Ceilândia ganha dois ouros em Paralimpíadas Escolares

Cláudio Irineu foi campeão nas categorias 200m medley e 100m costas


ão Paulo - Com o mesmo nome do pai e seguindo seu exemplo, Cláudio Irineu participa dos Jogos Escolares Paralímpicos desde 2012. A inspiração do garoto de 17 anos é o próprio pai que também é atleta paralímpico do vôlei sentado e ex-jogador do Ceilândia. O jovem participa de sua sexta e última edição da competição. A despedida dos Jogos Escolares começou bem com dois ouros nas provas de 200m medley e 100m costas.

A ascensão no esporte paralímpico foi rápida. Cláudio teve Síndrome de Guillain-Barré aos 8 anos. A doença é autoimune e ataca os nervos. “De um dia para o outro acordei sem mexer nada”, relembra. O nadador chegou a ficar internado na UTI e recuperou aos poucos os movimentos do corpo, mas ficou com sequelas nas pernas.

A natação começou com a reabilitação. O primeiro contato com a água foi na fisioterapia do Hospital Sarah Kubitschek. Aos 12 anos, começou a competir. Para ele, o esporte permite com que as pessoas olhem para o deficiente de forma diferente. “Eu senti que as pessoas começaram a parar de me olhar como coitado”, conta. O jovem, que foi porta-bandeira do DF, ainda disputa provas nesta quinta e sexta-feira.

Mais do que qualquer nome de atleta, a inspiração para garantir resultados é o pai. Com o mesmo nome, Cláudio Irineu é ex-jogador do Ceilândia e foi com o futebol que sofreu o acidente que resultou na amputação da perna esquerda. Em uma partida de futebol de confraternização, Cláudio quebrou a perna e por uma negligência médica teve que amputar.

Hoje, tem diferentes títulos no esporte paralímpico. Foi ouro no Parapan de 2007 no vôlei sentado e tetracampeão mundial de futebol de amputados. Além disso, já representou o Brasil na Paralimpíada de Pequim, em 2008. Cláudio foi o primeiro condutor da tocha paralímpica em Brasília, em 2016.

A repórter viaja a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro

Fonte: Super Esportes

Veja também
 
 

Jeesp

Jeesp: Finais Etapa IV Jeesp Infantil   Praia Grande
Campione - Il mondo dello sport