Esporte Escolar
O seu portal de notícias do Esporte Escolar

Carboidratos e Performance

24/11/2017
Carboidratos e Performance

Existem diversas formas de melhorar o rendimento nos treinos e na competição através da alimentação, seja usando algum suplemento que estimule o sistema nervoso central diminuindo a percepção de esforço, como a cafeína, ou através de algum alimento que melhore o aporte de energia para utilização do treino. Pautado nesta segunda condição, falaremos a respeito do maior aliado ao rendimento esportivo e que sempre deve ser considerado ao elaborar um plano alimentar para um atleta: o carboidrato.

Existem diversas estratégias para ingestão antes e após o treino, mas no artigo de hoje falaremos a respeito da ingestão de carboidrato durante o treino. Segundo a última recomendação do Colégio Americano de Medicina do Esporte, as quantidades dependem da duração e intensidade do exercício.

Em exercícios de alta intensidade com duração de até 45 minutos, não há necessidade de ingestão de carboidratos durante a prática. Já em exercícios com duração de 45 – 75 minutos, o bochecho com solução de carboidrato é o suficiente para manter a performance. Para exercícios de endurance, incluindo modalidades de “para e continua”, a recomendação é de 30 – 60 g a cada hora, enquanto que em modalidades de ultra-endurance, com duração maior que 2,5 horas, a recomendação é de até 90 g/hora.

Lembrando as quantidades são de nutriente, e não do alimento, portanto, para se atingir os níveis ótimos de ingestão durante o treino demanda tempo e adaptação, pois nem todo atleta tolera uma alta quantidade de alimento ou suplemento durante a prova. Por exemplo, para se conseguir 30 g de carboidrato utilizando a batata cozida como alimento, precisa-se de aproximadamente 125 g de batata por hora de exercício para atingir a recomendação. Agora, se considerarmos ao invés de 30, 90 gramas por hora, basta multiplicar a quantidade de batata por três. Consumir quase meio 0,4Kg de batata por hora de exercício não parece uma tarefa fácil, não é? Os suplementos de carboidrato na forma de gel são muito bem-vindos nestas ocasiões e podem fazer parte da estratégia nutricional.

Um nutricionista é indispensável nesta situação para, junto com o atleta, elaborar as quantidades especificas de acordo com a individualidade de cada um, assim como as fontes alimentares (quais alimentos ou suplementos utilizar) e também o momento em que será utilizado. A periodização alimentar pode fazer toda a diferença no resultado final e na performance do atleta na competição.

Devemos entender também que nada do que foi dito neste artigo deve ser testado no dia da competição, e sim no treino. É preciso que esteja tudo devidamente planejado e testado previamente para que não exista nada “novo” no dia do campeonato, pois a ansiedade e estresse já são fatores que predispõe a um problema gastrintestinal durante a prova, e devemos minimizar qualquer outro agente que possa potencializar estes efeitos. Testar a tolerância meses antes é fundamental.

Percebe-se, com este texto, que o carboidrato é um preditor de performance, ou seja, sem ele, nada acontece! Cabe ao nutricionista “orquestrar” as quantidades, fontes e momentos de ingestão para atingir o aporte energético necessário para performance máxima.

Raphael Campanholi
Nutricionista da Health Fit Assessoria Para o Bem Estar
CRN3 - 49867

Veja também
 
 

Jeesp

Jeesp: Finais Etapa IV Jeesp Infantil   Praia Grande
Campione - Il mondo dello sport